Cantiga de amor dos suaves suspiros

Nota do autor: o poema abaixo foi escrito há cerca de 20 anos e tem uma atmosfera um tanto pesada e sombria por ter sido feito sobre influência e inspiração de diversos textos poéticos medievais da época do trovadorismo, que eu tive contato ao longo do ano de 1999. Para a publicação aqui no blog, o original foi levemente editado para melhorias pontuais de vocabulário e buscando não perder o sentido e o peso/atmosfera da composição original.

Seus suaves suspiros me dizem pouco / eu sinto que minha alma está se desfazendo / diga-me o que fazer para não morrer / não sei o que é viver / paz como obter? / Para morrer é preciso viver / para viver é preciso você / a sua vida cheia de turbulência / venha pedir clemência / não para mim e sim para o teu amor que aqui ficou / não chore, você encontrará o seu amor / Por pouco eu um dia te perdi para sempre / o céu não me pertence e a dor demole a mente / mas, não queira matar / vá viajar para fora do seu mundo de pura dor / Seu amor você vai encontrar / e então eu vou desencarnar / a sua vida só vai enfim florescer / após o meu fenecer e assim eu vou me libertar / e então subir ao céu / anos de sofrimento se tornarão amor / Subirei / para o céu eu subirei / os anos vão passar e eu vou te esperar

Algum momento de 2000

Deixe uma resposta