Águas de Março – Capítulo 01

Ivan acordou por volta de cinco horas da manhã e saiu correndo de casa 20 minutos depois sem tomar café. Era sexta-feira de carnaval e ele precisava encerrar a produção de um quadro especial para o programa “Tarde Viva”, da famosa apresentadora Mônica Rodrigues. Não faltava muito para concluir a tarefa, mas precisava rever o roteiro das entrevistadas e ligar para cada uma delas confirmando a presença no horário marcado.

– Nossa emissora não é grande e precisamos que cada um de nós faça um pouco de tudo. – sempre dizia Mônica para justificar tantas tarefas.

Mônica confiava em Ivan. Deixava os quadros e entrevistados mais importantes sob sua responsabilidade e a responsabilidade atual não era diferente. Quando chegou ao prédio da TV Jaraguá, na Zona Norte de São Paulo, estava com o estômago doendo de fome e foi até uma padaria no andar do prédio da emissora de TV.

– Bom dia, “Seu” Dito. Me vê o de sempre aí. Prá viagem…

O “de sempre” era um kit com 10 mini pães de queijo e um copo de chocolate quente. Ivan odiava café e, ao contrário dos jornalistas que conhecia, passava longe das máquinas da bebida e ainda mais distante das cafeterias. Mônica o acompanhava quase sempre, mas com uma caneca de chá.

Subiu para a sala onde a produção do “Tarde Viva” trabalhava e encontrou a titular do programa sentada na mesa de trabalho lendo alguma coisa na tela da TV.

– Você chama isso de roteiro de entrevista? – ela disse em voz alta sem tirar o olho da tela.

– Mônica, eu fiz o meu melhor ontem e cheguei cedo hoje para editar. Também não saí satisfeito, mas acho que posso pelo menos aproveitar uma ou duas perguntas daí…

– Ivan, elas são mulheres que querem aparecer por causa do carnaval e estarão seminuas na frente das câmeras. Elas querem exposição, querem ter quinze minutos de fama e ver se conseguem uma vaga em algum reality show de subcelebridade em um futuro não muito distante.

– Mas, eu acredito que pelo menos elas devem responder…

– Elas vão responder aquilo que as ajude encontrar os sonhos delas! – interrompeu Mônica – Pergunte como elas ficam assim, quantas horas de malhação, se os caras ficam olhando na academia… Não pergunte o que elas comem e qual dieta seguem!

Ivan respirou fundo.

– Eu estou cansado, Mônica!

– Não existe cansaço, Ivan! Existe falta de vontade e sei que isso você tem de sobra! Vamos, eu sei que você é capaz. Só falta o roteiro de entrevistas pois as entrevistadas são ótimas: ex-modelo que recebeu multas e mais multas por tomar sol pelada no condomínio, ex-atriz que foi flagrada fazendo sexo em praça no Brás… Quer algo mais decadente que isso? Elas querem 15 minutos de fama, nosso público quer histórias curiosas e bizarras, nossos anunciantes querem audiência e essas histórias dão muita audiência. Conto com você, Ivan!

Mônica saiu da sala fechando a porta e segundos depois abriu novamente:

– Ah, seu almoço é por minha conta hoje! Veja a sala: vazia! Só tem você aqui e sei que saiu tarde ontem.

– Na verdade já era hoje, Mônica.

– Tá vendo o porquê da minha confiança em você? – Mônica disse isso e saiu logo em seguida.

Ivan sorriu, sentou na sua mesa e, enquanto o computador ligava, ele comia os pães de queijo e tomava seu chocolate quente. Do lado de fora, o céu cinza prometia chuva para o dia todo, apesar de, até aquele momento, somente uma garoa fina predominar. Mônica sabia cativá-lo como ninguém e ela também sabia cativar os espectadores do seu programa e fazia do “Tarde Viva” o programa mais visto da TV Jaraguá.

Ele voltou a trabalhar no roteiro de entrevistas. Apagou tudo o que tinha feito até então e começou a escrever em ritmo acelerado. Quarenta minutos depois Mônica voltou segurando um copo de chocolate quente gigante e sentou atrás de Ivan.

– Hum… “Você não teve medo de ser flagrada fazendo sexo no Brás?”

– Era isso o que você estava pensando, Mônica?

– Não… É muito melhor! Eu não sei como vou manter a naturalidade perguntando isso, mas aí é problema meu. Agora, tome… Se com um copinho de chocolate você fez isso, com meio litro você produz as edições de um mês inteiro.

Mônica riu e foi para a mesa de trabalho dela.

– Continue nesse ritmo. Se liderarmos a audiência hoje, te dou folga na semana que vem.

– Você sempre diz isso e nunca passamos de dois pontos de audiência.

– E eu espero um dia te dar essa folga de uma semana. Ah… Já alcançamos três, não esqueça…

Ivan abaixou a cabeça e voltou a escrever. Uma hora depois, apresentou o roteiro de entrevistas para Mônica e ela saiu gritando como uma louca pela sala:

– É hoje, meus amigos! É hoje! Você, como sempre, foi fantástico! Aliás, se prepare. Ano que vem não vou deixar programa gravado pois quero você apresentando o “Tarde Viva” durante as minhas férias. Lembre-se que o cachê do merchandising ajuda muito, hein…

Ivan abriu um sorriso tímido e voltou a se concentrar no seu trabalho. Após algum tempo, chegou na mesa de Mônica e disse:

– Todo mundo confirmado para o programa de hoje: a tarada do Brás, a peladona do condomínio, a ninfomaníaca da Vila Prudente…

– Quem?

– Aquela que se orgulha de ter transado com todos os homens do condomínio onde ela morava…

– Meu Deus! É verdade… Três torres, quinze andares e dez apartamentos por andar! Como ela conseguiu?

– Daqui a pouco eu te conto, Mônica, pois agora vamos falar de gel lubrificante íntimo “Xô Secura”.

Os dois começaram a rir e então Vanessa, outra produtora do programa, chegou correndo esbaforida e disse:

– Mônica, mil perdões! A sambista que ia encerrar o programa não vai conseguir vir. E eu não sei o que fazer…

– Tenho uma amiga – disse Ivan – que canta MPB em barzinhos e inclusive canta alguns sambas. Acho que podemos tentar… Vai ser diferente, mas pelo menos a gente salva o quadro e o programa… Inclusive, ela tem uma versão de “Águas de Março” em versão samba que é muito boa!

– Ótima ideia. E com esse tempo chuvoso em uma sexta de carnaval… Genial!

– Te passo o telefone dela, Vanessa.

Ivan passou o telefone e foi para a mesa dele para acertar os detalhes finais do programa. Mais tarde, quando foi ao ar, o programa conseguiu marcar 3,5 pontos de audiência e Mônica, quando soube do resultado, disse:

– Esse carnaval é seu. Te vejo na quarta!

Ivan abriu um sorriso e voltou para a mesa de trabalho. Desligou o computador e saiu radiante da redação. O tempo continuava chuvoso e uma garoa fina caía sobre a cidade. Quando chegou em casa, olhou para o céu que prenunciava que a noite seria chuvosa e disse:

– Eu vou dormir muito nesse carnaval! Aaaaaaaaaaaaaaaaaaaah!

Entrou em casa, tomou um banho, comeu qualquer coisa que encontrou na geladeira e deitou no sofá para ver algum filme na Netflix. Não chegou a ver nem os créditos iniciais pois dormiu antes disso. Porém, seu sono foi interrompido às 23 horas e 59 minutos quando o telefone tocou: era Cesar, um amigo policial que sempre passava informações e pautas para ele.

– Oi, Cesar! Espero que você tenha um bom motivo para me acordar justo no início da minha primeira folga de carnaval em 5 anos!

– Tenho um motivo sim. E um motivo bomba! Anote o endereço que vou te passar e venha para cá agora. Mas, venha sem alardear ninguém! Jornalista não gosta de furo? Pois tenho um furo para você, Ivan…


LEIA MAIS: Índice | Capítulo 02

1 comentário em “Águas de Março – Capítulo 01”

Deixe uma resposta