Águas de Março – Capítulo 27

Ivan ficou sem ação e então pegou o celular. Tentou ligar para Mônica e ninguém atendeu. Ele então ligou para Cesar:

– O que você quer, Ivan? Já passou de meia noite e preciso descansar enquanto o nosso maluco e estimação parou de atacar.

– É sobre ele que preciso falar. Eu descobri uma coisa sobre os crimes: sei como ele define o método de assassinar cada vítima. – contou Ivan.

– Ah, Ivan! Essa é fácil: matando! Boa noite!

Cesar desligou a ligação e então decidiu ligar para Valentim.

– Oi, Ivan! Aconteceu alguma coisa?

– Valentim, descobri como ele define o método de assassinar cada vítima. E você não vai acreditar. Você está com o computador ligado?

– Estou sim. – disse Valentim.

– Procure a letra de Águas de Março e compare com o jeito que ele matou cada vítima.

Após alguns segundos, Valentim disse do outro lado da linha:

– Eu não acredito nisso! Como você descobriu?

Ivan contou sobre tudo o que acontecera e como chegara a essa conclusão. Valentim então disse:

– Cara! Isso é uma descoberta incrível! Não sei ainda como pode ajudar a gente a chegar no assassino, mas é excelente!

– E… Eu tenho uma pista, Valentim! Há algum tempo entrevistei um cara que era aficionado por esta música e colecionava diversas versões no computador, algumas gravadas exclusivamente para ele.

– Lembra de alguma coisa que pode nos ajudar a encontra-lo?

– Não. Mas, vou tentar lembrar. Por enquanto eu só sei que preciso ir para São Paulo.

– Eu te busco!

Quando o sol raiou, Ivan estava na estrada com Valentim. Duas horas depois, Ivan entrava na delegacia. Ele foi direto para a sala da delegada e a encontrou em uma ligação. Quando ela terminou, disse:

– Bom dia! Vejo que mudou de ideia em relação à sua segurança.

– Delegada, tenho uma pista nova sobre o caso. Fiz a descoberta para o programa de TV para o qual trabalho e vamos falar disso na edição de hoje.

– Por favor, sente.

Ivan sentou-se e disse logo depois:

– Delegada, o assassino age de acordo com as letras da canção Águas de Março. Cada vítima dele foi morta de acordo com um trecho da música. A primeira foi morta a pauladas, a segunda a pedradas e assim por diante.

– Você está me falando que nosso assassino é cruel e criativo?

– Cruel, com certeza. O criativo deixo por sua conta. Prefiro dizer que ele é maluco.

A delegada pediu para chamar Cesar, mas ele ainda não estava na delegacia. Ela então conversou com Ivan, tirou algumas dúvidas e ele apresentou a planilha com as relações das mortes e o trechos referentes de Águas de Março.

– Ivan, essa descoberta é muito útil.

– E eu digo mais, delegada. Há algum tempo entrevistei um cara que era aficionado por esta música e colecionava diversas versões no computador, algumas inclusive gravadas exclusivamente para ele. Isso não poderei falar no ar, pois é uma informação séria demais para ser divulgada, mas acredito ser um suspeito em potencial.

– Digamos que talvez essa seja a parte mais interessante de tudo que você me falou.

Ivan contou alguns detalhes sobre o cara que tinha entrevistado e disse que estava tentando lembrar algo que pudesse ajudar a localizá-lo. Logo depois saiu da delegacia e foi para a TV Jaraguá.

De posse dessa informação exclusiva, o programa Tarde Viva registrou 6 pontos de audiência e Mônica, ao sair do ar, disse:

– Parabéns, Ivan! Esse foi um furo de reportagem maravilhoso! Enquanto nosso concorrente falava sobre mais um caso de jovem desaparecida, nós demos um passo importante no sentido de desvendar detalhes sobre esse crime.

Ivan deu um sorriso e disse:

– Bom, eu vou assistir ao material gravado do nosso concorrente pois é sempre bom acompanharmos. E vai que esse caso evolui e precisamos falar sobre ele em uma edição futura.

– Depois, você dorme na minha casa pois vamos comemorar. E amanhã cedo você volta para o seu retiro espiritual. Ainda é cedo para você ficar por aí dando as caras.

– Eu prefiro ficar, Mônica. Acho que serei mais útil aqui em São Paulo.

– Então, você fica na minha casa. E ponto final.

– Se você faz questão…

– É para a sua segurança.

Enquanto isso, Cesar conversava com a Delegada sobre o caso e juntos eles traçavam alguns planos para chegar ao assassino.

– Agora, só precisamos que Ivan nos fale algum detalhe sobre esse cara. Precisamos chegar até ele. – disse Cesar.

– Acabei de receber um email dele com o vídeo dessa reportagem. Vamos assistir? – convidou a delegada.

Após o término da reportagem, Cesar disse:

– É estranho. Esse material tem 5 anos e hoje esse cara teria 55 anos de idade. Será que teria força suficiente para fazer tudo isso? Pelo que vi no vídeo, eu acho que não…

– Vamos atrás dele mesmo assim.

Mais tarde, na delegacia onde o avô de Vanessa registrou o desaparecimento da jovem, Paulo chegava de mais um dia de trabalho e sentou na sua mesa. Olhou para a foto da jovem e fez algumas anotações. Depois, foi ler as novidades sobre o caso e, algum tempo depois, ao olhar no relógio, viu que era quase meia noite. Ele pegou o celular, a carteira e começou a se arrumar para ir embora.

Quando estava saindo da delegacia, um homem o parou e disse:

– Eu tenho uma informação que pode ajudar no caso da mulher desaparecida.

– Qual mulher, a que falamos hoje no programa da tarde?

– Isso. No caso do desaparecimento da Vanessa.

Deixe uma resposta